Estrutura da comunidade de formigas (Hymenoptera: Formicidae) em quatro ambientes com diferentes níveis de perturbação antrópica

Junir A. Lutinski, Cladis J. Lutinski, Benedito Cortes Lopes, Ana B. Barros de Morais

Resumen


Ecología Austral 24:229-237 (2014)

A diversidade e a estrutura das comunidades biológicas são afetadas pela intensificação das atividades antrópicas. Este estudo avaliou a estrutura das assembleias de formigas de quatro tipos de ambientes ao longo de um gradiente de intensidade de perturbação antrópica em dez cidades situadas na região austral do Domínio Mata Atlântica. Os ambientes avaliados foram: fragmentos florestais, áreas verdes, escolas e centros de reciclagem. Foram realizadas duas amostragens durante o ano de 2011, uma em fevereiro e março e outra em outubro e novembro. Para a comparação das assembleias de formigas foi desenvolvida uma análise de rarefação baseada no número de ocorrências nos quatro tipos de ambientes. A composição das assembleias foi verificada através de um teste de aninhamento utilizando a métrica a NODF. A associação das espécies de formigas com os ambientes amostrados foi obtida por meio de uma Análise de Espécies Indicadoras (ISA). Foram encontradas diferenças significativas de riqueza e de abundância entre os ambientes, mostrando uma tendência de redução nos ambientes escolares e centros de reciclagem em relação aos fragmentos florestais e áreas verdes. Observou-se um padrão de aninhamento ao longo do gradiente, ou seja, as assembleias pertencentes aos ambientes sob maior pressão antrópica são subconjuntos da mirmecofauna dos ambientes mais conservados. Não houve alteração da composição das assembleias, e sim uma perda importante de espécies de um ambiente para outro. Os fragmentos florestais apresentaram o maior número de espécies indicadoras (12), seguido pelas áreas verdes (4) e escolas (3). Os resultados podem ajudar na implementação de políticas de desenvolvimento urbano e na elaboração de planos de conservação.


Texto completo:

PDF

Referencias


ALMEIDA-NETO, M; P GUIMARÃES; PR GUIMARÃES; RD LOYOLA & W ULRICH. 2008. A consistent metric for nestedness analysis in ecological systems: reconciling concept and measurement. Oikos, 117:1227-1239.

ALONSO, LE & D AGOSTI. 2000. Biodiversity studies, monitoring, and ants: an overview. Pp. 1-8 em: AGOSTI, D ; JD MAJER; LE ALONSO & TR SCHULTZ (eds.). Ants: standard methods for measuring and monitoring biodiversity. Capítulo 1. Smithsonian Institution. Washington. Pp. 280.

ATMAR, W & BD PATTERSON. 1993. The measure of order and disorder in the distribution of species in fragmented habitat. Oecologia, 96:373-382.

BASELGA, A. 2010. Partitioning the turnover and nestedness components of beta diversity. Global Ecology and Biogeography, 19:134-143.

BESTELMEYER, BT; D AGOSTI; LE ALONSO; CRF BRANDÃO; WL BROWN JR; ET AL. 2000. Field techniques for the study of ground-dwelling ants. Pp. 122-144 em: AGOSTI, D; JD MAJER; LE ALONSO & TR SCHULTZ (eds.). Ants: standard methods for measuring and monitoring biodiversity. Capítulo 9. Smithsonian Institution. Washington. Pp. 280.

BUCZCKOWSKI, G & DS RICHMOND. 2012. The effect of urbanization on ant abundance and diversity: a temporal examination of factors affecting biodiversity. PLOS ONE, 7:e41729.

CONNOR, EF; J HAFERNIK; VL MOORE & JK RICKMAN. 2002. Insect conservation in an urban biodiversity hotspot: the San Francisco Bay area. Journal of Insect Conservation, 6:247-259.

DÁTTILO, W; N SIBINEL; JCF FALCÃO & RV NUNES. 2011. Mirmecofauna em um fragmento de floresta atlântica urbana no município de Marília, SP, Brasil. Bioscience Journal, 27:494-504.

DIAMOND, J. 2012. Colapso. 8ª. Edição. Editora Record. Rio de Janeiro. Pp. 699.

DUFRÊNE, M & P LEGENDRE. 1997. Species assemblages and indicator species: The need for a flexible asymetrical aproach. Ecological Monographs, 67:345-366.

FOWLER, HG; MN SCHLINDWEIN & MA MEDEIROS. 1994. Exotic ants and community simplification in Brazil: a review of the impact of exotic ants on native ant assemblages. Pp. 151-162 em: Williams, DF (ed.). Exotic ants: Biology, Impact, and Control of Introduced species. Boulder Westview Press. Pp. 352.

GOTELLI, NJ & GL ENTSMINGER. 2001. EcoSim: Null models software for ecology. Versão 7.0. Acquired Intelligence Inc. & Kesey-Bear. http://homepages.together.net/~gentsmin/ecosim.htm (último acesso: 17/03/2013).

GOTELLI, NJ & RK COLWELL. 2001. Quantifying biodiversity: procedures and pitfalls in the measurement and comparison of species richness. Ecology Letters, 4:379-391.

HAMMER, O; DAT HARPER & PD RIAN. 2001. Past: Palaeonthological statistics software package for education and data analysis. Versão. 1.37. http://palaeo-electronica.org/2001_1/past/issue1_01.htm (último acesso: 21/11/2013).

HÖLLDOBLER, B & EO WILSON. 1990. The ants. Cambridge: Belknap, Harvard University Press. Pp. 732.

IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). 2010. http://www.ibge.gov.br/cidadesat/default.php (último acesso: 19/11/2013).

IOP, S; VM CALDART; JA LUTINSKI & FRM GARCIA. 2009. Formigas urbanas da cidade de Xanxerê, Santa Catarina, Brasil. Biotemas, 22:55-64.

LÓPEZ-MORENO, IR; ME DIAZ-BETANCOURT & TS LANDA. 2003. Insectos sociales em ambientes antropizados: las hormigas de la ciudad de Coatepec, Veracruz, México. Sociobiology, 42:605-622.

LUTINSKI, JA; CJ LUTINSKI; S IOP & FRM GARCIA. 2013a. Evaluation of an ant sampling protocol (Hymenoptera: Formicidae) in three modified environments located inside an austral Atlantic Forest area of Brazil. Ecología Austral, 23:37-43.

LUTINSKI, JA; BC LOPES & ABB MORAIS. 2013b. Diversidade de formigas urbanas (Hymenoptera: Formicidae) de dez cidades do sul do Brasil. Biota Neotropica, 13:1-12.

LUTINSKI, JA & MF SOUZA. 2009. Avaliação do sistema de coleta de resíduos recicláveis realizado por catadores e suas implicações sociais, econômicas, ambientais e sanitárias na cidade de Chapecó - SC. Monografia de Pós Graduação em Biotecnologia e Energias Alternativas, FAISA. Pp. 56.

MCCUNE, B & MJ MEFFORD. 2006. PC-ORD. Multivariate analysis of ecological data. MjM Software, Gleneden Beach, Ore.

MCKINNEY, ML. 2002. Urbanization, biodiversity, and conservation. BioScience, 52(10):883-890.

MELO, AS; RAS PEREIRA; AJ SANTOS; GJ SHEPHERD; G MACHADO; ET AL. 2003. Comparing species richness among assemblages using sample units: why not use extrapolation methods to standardize different sample sizes? Oikos, 101:398-410.

MORINI, MSC; CB MUNHAE; R LEUNG; DF CANDIANI & JC VOLTOLINI. 2007. Comunidades de formigas (Hymenoptera, Formicidae) em fragmentos de Mata Atlântica situados em áreas urbanizadas. Iheringia, Série Zoologia, 97:246-252.

NOVOTNÝ, V & Y BASSET. 2000. Rare species in communities of tropical insect herbivores: pondering the mistery of singletons. Oikos, 89:564-572.

OLIVEIRA, MF & AEC CAMPOS-FARINHA. 2005. Formigas urbanas do município de Maringá, PR, e suas implicações. Arquivos do Instituto Biológico, 72:33-39.

PACHECO, R & HL VASCONCELOS. 2007. Invertebrate conservation in urban areas: ants in the Brazilian Cerrado. Landscape and Urban Planning, 81:193-199.

PIANKA, E. 1994. Evolutionary ecology. New York: Harper Collins College Publishers. Pp. 484.

R DEVELOPMENT CORE TEAM. 2011. R: A language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing, Vienna, Austria. Disponível em http://www.R- project.org (último acesso: 20/10/2011).

RICKLEFS, RE. 2001. A Economia da Natureza. Editora Guanabara. Pp. 572.

SANFORD, MP; PN MANLEY & DD MURPHY. 2008. Effects of urban development on ant communities: implications for ecosystem services and management. Conservation Biology, 23:131-141.

SARMIENTO, CE. 2003. Metodologías de captura y estudio de las hormigas. Hormigas como herramienta para la bioindicación y monitoreo. Pp. 201-210 em: FERNÁNDEZ, F (ed.). Introducción a las hormigas de la región neotropical. Capítulo 12. Instituto de Investigación de Recursos Biológicos Alexander von Humboldt. Bogotá, Colombia. Pp. 424.

SILVA, RS; DMN PASSOS & AC REZENDE. 2009. Biogeografia urbana: estudo de comunidades de formigas nos parques municipais de Belo Horizonte - MG. Anais do III Congresso Latino Americano de Ecologia. 10 a 13 de Setembro de 2009, São Lourenço - MG.

SILVESTRE R; CRF BRANDÃO & RR SILVA. 2003. Grupos funcionales de hormigas: el caso de los gremios del cerrado. Pp. 159-166 em: FERNÁNDEZ, F (ed.). Introducción a las hormigas de la región neotropical. Capítulo 7. Instituto de Investigación de Recursos Biológicos Alexander von Humboldt. Bogotá, Colombia. Pp. 424.

SILVESTRE, R & RR SILVA. 2001. Guildas de formigas da estação ecológica do Jataí, Luiz Antônio -SP- sugestões para a aplicação do modelo de guildas como bio-indicadores ambientais. Biotemas, 14:37-69.

STRINGER, LD; AEA STEPHENS; DM SUCKLING & JG CHARLES. 2009. Ant dominance in urban areas. Urban Ecosystems, 12:503-514.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


ISSN en línea: 0327-5477; impresa 1667-782X (español); 1667-7838 (inglés)